Posts com Tag ‘Wargame’

Olá, pessoas!

Foi a estreia do Ikusa. Nele, cada jogador representa uma facção lutando pelo controle do Japão. O objetivo é war-style: conquistar X territórios (no caso, em 3, na versão “rápida”, são 40 territórios) ou eliminar outro jogador (neste caso a eliminação não garante a vitória de quem eliminou, mas é quase certo que sim). No turno, começa-se usando dinheiro para selecionar ações e quanto será feito (por exemplo, colocar 3 dinheiros em recrutar permite recrutar mais do que com 2 dinheiros). As ações são: ordem de turno, construir (castelos e fortes, que ajudam na defesa, e só na defesa, de territórios), recrutar, contratar ronin e contratar ninja.

A decisão de onde investir o dinheiro é feita de forma secreta e simultânea, com todos revelando onde investiram ao mesmo tempo. Então, primeiro, vê-se qual será a ordem do turno, depois constrói-se castelos/fortalezas. Então recrutam-se tropas, e todos colocam as tropas recrutadas simultaneamente. Em seguida, contratam-se os ronins (que podem ser colocados de forma secreta em áreas controladas pelo jogador, e a área em questão é só revelada se for atacada ou usada para um ataque). O Ninja, por fim, é contratado por quem mais pagou pelos seus serviços – o Ninja deve ser usado antes do jogador iniciar seus combates, e durante a fase de movimento, pode ser utilizado para matar um Daimyo, se rolar 8 ou menos no d12. Caso isso ocorra, o exército desse Daimyo não pode ser movido naquela rodada, mas pode se defender normalmente – e, ao final da rodada, se o exército ainda existir, uma das unidades é convertida no novo Daimyo, logo não é possível eliminar um jogador usando o Ninja, mas ajuda. (mais…)

Anúncios

Resenha “Somente o Básico”: Memoir 44

Publicado: 9 de fevereiro de 2015 por Binderman em Resenha
Tags:

Aviso: O objetivo das resenhas “Somente o Básico” é escrever o mínimo necessário para que o leitor entenda e se interesse pelo jogo.

Sobre o Memoir 44:

1) O que é?
Um jogo da Segunda Guerra Mundial onde você controla tropas aliadas ou do eixo durante batalhas inspiradas em eventos reais de 1944.

2) Como se joga?
Compre e jogue cartas, mova miniaturas, role dados de ataque e colecione medalhas. Cada cenário representa uma batalha real, tem um contexto histórico, objetivos e configurações diferentes. Pra se manter fiel aos eventos reais ocorridos, os lados (eixo e aliados) são normalmente desbalanceados. Mas isso não é um problema já que cada partida consiste em duas batalhas nas quais os jogadores trocam de lado. O jogo usa uma mecânica esperta chamada “Command and Colors” na qual o jogador deve escolher uma carta para ativar unidades de uma seção determinada do tabuleiro. O vencedor é aquele que colecionar mais medalhas durante as duas batalhas.

3) Quais são as decisões que você pode tomar?
– Elabore um plano geral de acordo com os objetivos do cenário. Por exemplo, unidades menos protegidas podem ser os melhores alvos.
– Escolha uma de suas cartas e jogue-a. Existem cartas comuns que são usadas para ativar (mover e atacar) unidades de uma determinada seção e cartas especiais que permitem ações poderosas como cura, ataque aéreo, ativar todas as unidades de um determinado tipo, etc.
– Decida quais unidades você irá mover e quais você irá atacar.

4) Quais as coisas boas do jogo?
– A variedade de cenários históricos. Apesar de existirem apenas quinze cenários no jogo base, eles podem ser jogados várias vezes sem perda de diversão. Além disso existem livros cheios de cenários alternativos, e muitas expansões.
– A simplicidade do jogo. Se você gosta da historia da guerra mas não gosta de jogos de guerra altamente complicados com muitos detalhes, este pode ser um bom jogo para você. Sua duração é relativamente curta, fica bem bonito na mesa, tem um número decente de decisões a cada rodada e oferece pelo menos uma hora de diversão.

5) Quais as más notícias?
– Você rola apenas dados de ataque. É possível que apenas uma solitária miniatura de soldado (que representa um conjunto de soldados reais) derrote alguns tanques em uma única rolagem de dados. O defensor nada pode fazer a não ser evitar que a situação ocorra.
– Azar nas cartas. É possível não ter nenhuma carta com a seção das unidades que você deseja ativar.

6) Como você se sente ao jogar?
Se você gosta de história da guerra e de jogos leves, poderá gostar do contexto histórico, posicionamento das tropas no terreno e o que aconteceria se algumas decisões fossem diferentes, sentindo-se um general em uma campanha pela vitória.

Créditos das imagens: Days of Wonder

Space Empires: 4X – resenha

Publicado: 15 de janeiro de 2015 por Alexandre Trentini em Resenha
Tags:, , , , ,

“E então a frota atravessou o espaço desconhecido através de rotas perigosas, por entre nebulosas e cinturões de meteoros, desviando do horizonte de eventos de buracos negros. Os humanos ainda estavam em um espaço desconhecido e os batedores, quando voltavam com novas informações, não eram completamente precisas, mas na maioria das vezes desapareciam sem deixar vestígios e a frota jamais sabia de seus paradeiros.

O homem ainda está engatinhando em um espaço desconhecido, o serviço de inteligência militar espacial ainda é pouco eficaz se comparado aos das Grandes Guerras Mundiais. Se encontrarmos uma ameaça desconhecida além do espaço profundo não há como estimar se nossas forças serão suficientes.

-Almirante, um dos batedores retornou a frota com a informação de que estamos navegando sob território de outra civilização – afirmou o Comandante.

-Comandante, sabemos qual é o tamanho do perigo? Temos alguma informação sobre suas tecnologias ou o tamanho de suas frotas? – respondeu o Almirante.

-Não, senhor, o máximo que conseguiram estimar foi a posição de algumas frotas, mas não conseguem estimar com exatidão o tamanho dessas frotas e nem quais tecnologias possuem. Não sabemos se a civilização é pacífica, mas estimamos que nossas posições provavelmente sejam conhecidas por eles também.

-Todos nós sabemos que o combustível inteiro da frota era só de ida, mas conseguiremos enviar dois mensageiros pelo caminho seguro que traçamos de volta às nossas colônias com a informação de que encontramos uma civilização desconhecida. Estamos em uma guerra contra o desconhecido, a ordem é atirar primeiro, fazer perguntas depois.

-Mas senhor, e se eles forem pacíficos?

-E se não forem? Tenho certeza que não terão piedade de nós, essa é uma luta pela sobrevivência e a ordem é essa, preparem as armas, iremos atacar diretamente suas colônias.

Essas foram as últimas ordens antes de a frota ser dizimada, não por naves inimigas tecnologicamente superiores, mas por meras minas espaciais que explodiram assim que as naves da frota chegaram ao seu destino.”

caixa

(mais…)

“Então todos escutaram, enquanto Elrond, com sua voz clara, falava de Sauron e dos Anéis de Poder, e de sua forjadura na Segunda Era do mundo, há muito tempo. Uma parte da história era conhecida por alguns ali, mas a história completa ninguém conhecia, e muitos olhos se voltavam para Elrond com medo e surpresa, enquanto ele contava sobre os ourives élficos de Eregion, e de sua amizade com Moria, e de sua avidez de conhecimento, através da qual Sauron os seduziu. Pois, naquela época, ainda não era declaradamente mau, e eles aceitaram sua ajuda, tornando-se hábeis, enquanto Sauron aprendia todos os segredos, e os traía, forjando secretamente, na Montanha do Fogo, o Um Anel para dominar todos os outros. Mas Celebrimbor sabia das verdadeiras intenções de Sauron, e escondeu os Três que tinha feito; então houve guerra, e a terra foi arrasada, e o portão de Moria foi fechado.”

(mais…)

Resenha de Twilight Struggle

Publicado: 12 de março de 2014 por Alexandre Trentini em Resenha
Tags:, , , ,

“Now the trumpet summons us again, not as a call to bear arms, though arms we need; not as a call to battle, though embattled we are – but a call to bear the burden of a long twilight struggle…”

(“Agora as trombetas nos chamam de novo, não como um chamado para portar armas, apesar de que armas nós precisamos; não como um chamado para a batalha, apesar de que preparados para o combate nós estamos – mas um chamado para carregar o fardo de uma longa luta pelo crepúsculo…”)

(mais…)