Posts com Tag ‘Rolagem de Dados’

“Não vou voltar a dormir então é melhor escrever algo sobre o que vi, pois quando o dia chegar, eu espero que as imagens sumam, como quando as névoas dos sonhos se dissipam. Eu estava andando por uma praia, mas era noite e eu não via o mar – havia somente uma escuridão de ambos os lados, na esquerda havia silêncio, na direita, o enorme rumor das ondas, e no meio uma extensa, infinita, faixa de areia adiante.

Eu não olhava para trás, talvez por saber que não restava nada lá, nenhum caminho para voltar. A trilha de areia seguia reta e eu a seguia, até que ela se curvou na direção do mar. A areia estava úmida e pegajosa, porém não havia outro lugar para ir. A maré deve ter recuado e eu fui em frente, mas comecei a afundar na areia, primeira até os tornozelos, depois lutava para continuar, coberto até a cintura. Eu tinha de prosseguir e então vi algum tipo de recife ou ilha e, de lá, vinha o som de vozes ritmadas. Eles cantavam algo, chamando alguém. Eu estava perto, afundado na areia molhada até o pescoço, e pude ouvir um nome repetido com frequência. Clamavam por Dagon, Dagon, Dagon. Então a maré retornou e eu entrei em pânico, com medo de seguir em frente e tentando inutilmente voltar. A água salgada veio rápido e cobriu minha boca, nariz e rosto. Tentei manter o fôlego, então, do negro de piche do mar vi uma criatura peixe de formas humanoide. Ela veio em minha direção e eu perdi o controle e gritei, engolindo água, sal e algas.

Eu acordei assustado, pingando suor e sufocado. Tossi engasgado, desesperado por ar. Caí da cama e me arrastei pelo chão, tossindo. Até que algo saiu de minha garganta. Era uma pequena concha, misturada com lodo arenoso escura. Deus, o que ocorre aqui? Onde eu estive?”

Extrato do diário de Roland Banks.

(mais…)

Anúncios

Olá!

Imagem por W Eric Martin

O básico das regras:

Em Castles of Burgundy cada jogador representa um nobre buscando expandir sua influência em seu território com a construção de colônias, castelos, criando gado, minerando, exportando mercadorias e adquirindo conhecimentos que os viajantes trazem. (mais…)

Olá, pessoas!

Aviso que as impressões abaixo, como dito, são as primeiras, com base em uma partida solo.

 

Bem, jogando com a Gates of Arkham o jogo sai do Museu e vai para a cidade em si, e aí sim o ES vira um Arkham Horror-mini (o que esperavam que ele fosse quando de seu anúncio em 2010-11). A dinâmica de resolver aventuras usando os dados mantém-se, porém vários aspectos sofreram modificações: (mais…)

DAS GENERALIDADES

Elder Sign é um jogo com a temática de horror cósmico fundamentado – com certa liberdade de interpretação – nos escritos de H. P. Lovecraft e outros escritos contemporâneos que ampliaram o que veio a ser conhecido como Mythos.

(Cortesia de W Eric Martin)

O jogo tem duração média de 90 minutos, mas pode variar em qualquer coisa entre 45 minutos a pouco mais de 2 horas; e numa mesma partida pode acomodar até 8 jogadores (ainda que o recomendado, tal qual como em seu irmão mais velho – o Arkham Horror -, é que não supere os 5 jogadores, ou o tempo de espera entre as jogadas de cada um pode se estender além do razoável).
(mais…)

“Houve um tempo, no reino Atlante, em que General Volkare e sua legião defenderam o reino das ameaças dos orcs e dragões, mas tanto Volkare quanto sua legião desapareceram sem deixar vestígios. Muito tempo se passou e Volkare e sua legião perdida se transformaram em uma lenda até cair no esquecimento da maioria dos atlantes.

Mas rumores de partes longínquas do reino chegaram de que General Volkare retornou com os mais formidáveis guerreiros de sua legião perdida e agora se aliou com os dragões e orcs que juntos com os remanescentes da legião formam o novo exército formidável comandada por Volkare. Embora essa aliança com orcs e draconianos seja duvidosa, Volkare fora um grande aliado dos atlantes e o povo o recebe de portas abertas, embora desconfiados. 

Se Volkare ainda é aliado dos atlantes ou não, não há como saber, mas uma coisa é certa: Volkare declarou guerra contra os Mage Knights e se tornou um hábil exterminador desses poderosos guerreiros. Então todos os Mage Knights devem ter muito cuidado ao enfrentá-lo.”

Tovak. Créditos: Wizkids Games

Tovak. Créditos: Wizkids Games

(mais…)

Sempre fui muito fã de Race for the Galaxy e criei expectativas com relação aos anúncios, há alguns anos, da expansão Alien Artifacts e do jogo de dados baseado no Race for the Galaxy chamado Roll for the Galaxy. Ambos demoraram anos para se concretizarem e infelizmente nem tudo atendeu às minhas expectativas. O Alien Artifacts possui cartas bem interessantes, mas o módulo de orbe me decepcionou bastante, deixarei para o futuro uma resenha dessa expansão, como já prometido em minha análise sobre o primeiro arco de expansões. Mas e o Roll for the Galaxy, atendeu minhas expectativas?

IMG_0033

Roll for the Galaxy é um jogo de Thomas Lehmann e Wei-Hua Huang baseado em Race for the Galaxy, de Thomas Lehmann, publicado pela Rio Grande Games em 2015 de 2 a 5 jogadores em que cada jogador representa uma raça com um império intergalático que precisa se desenvolver, colonizar novos planetas e vender e consumir produtos para a manutenção desse império, o jogador que conseguir o melhor desempenho com seu império (atingir mais pontos de vitória) vence.
(mais…)