Ouro de Tolo – resenha

Publicado: 27 de maio de 2015 por Tiago Perretto em Resenha
Tags:, , , , , ,

Pois bem, Ouro de Tolo é um jogo de cartas basicamente. As cartas são o coração do jogo e onde reside a tática (estratégia a longo prazo não é algo possível aqui. Tal como os mineiros, o esquema é ir dia a dia).

As mecânicas principais do jogo são a do “Arriscar a Sorte” (Press Your Luck) e a do “Manejo da Mão” (de cartas), ou Hand Management.

Bem, vamos ao jogo.

(A capa do jogo)


Em Ouro de Tolo os jogadores personificam mineradores concorrentes que estão atrás das gemas e pepitas de ouro, enquanto tentam evitar se encherem de pirita (o tal ouro de tolo que dá nome ao jogo). Como isso é feito?

DESCRITIVO

Bem, de começo cada jogador recebe algumas cartas (o tanto de cartas varia de acordo com o número de jogadores, indo de 3 para 3 jogadores, até 5 para uma partida com 6 jogadores). Quanto mais participantes, mais cartas, já que ataques (tentar lhe empurrar um ouro de tolo, ou lhe obrigar a comprar pedras e quem jogou decide com quais ficar, etc) e roubos serão mais frequentes, então será mais necessário ter cartas para se defender.

(Uma das cartas de “ataque”)

Recebido as cartas, parte-se para a ação, e as ações disponíveis em cada vez do jogador são:
a) Minerar (pegar uma pedra do saco);
b) Usar uma das cartas da mão;
c) Encerrar o dia de trabalho na minha.

Minerar é algo bem simples: enfie a mão no saco onde estão as pedras e retire uma, etão passe a vez. Minerar tem um risco: retirar duas pedras de ouro de tolo. Isto obriga o jogador a encerrar imediatamente seu turno (o dia na mina acabou para este mineiro), pois considera-se que o minerador se arriscou demais e sofreu algum acidente – você perde todas as gemas e pepitas que encontrou e encerra o dia de trabalho.

Usar uma carta é autoexplicativo.

Encerrar o dia por vontade própria garante que o minerador saia da mina com todos os ganhos daquele dia (as pedras que pegou do saco), trocando-as pelo equivalente em dinheiro e devolvendo as peças ao saco (as peças são devolvidas somente quando todos os mineiros saírem da mina). O primeiro que sair da mina por vontade própria ganha uma carta de bônus. O último mineiro a sair da mina é considerado o “Caxias” e tem duas opções: continuar minerando (pegando pedras do saco) até que decida encerrar o dia ou quando tirar duas pedras de ouro de tolo, ou comprar uma carta do baralho.

Repita as ações acima até o final do jogo, que ocorre quando um valor X de dinheiro é alcançado por um ou mais jogadores que podem (mas não são obrigados, se não tiverem certeza de que são os que mais tem dinheiro) anunciar que atingiram a “meta” e, com isso, o jogo termina, o dinheiro é contado (até então o dinheiro deve ser mantido em segredo dos demais participantes) e quem tiver mais dinheiro sai vencedor. Não há forma de desempate – se houver empate entre dois ou mais jogadores com a maior quantidade de dinheiro, todos os empatados vencem.

Há algumas variantes possíveis, indicadas no próprio manual, e eu acho particularmente interessante a variante da Febre do Ouro. Fica a dica.

COMENTÁRIOS

Ouro de Tolo é um jogo em que a interação entre os jogadores é feita pelas cartas e a sorte tem bastante influência: retire boas pedras e você pode se dar bem, retire pedras ruins e você pode se dar mal (o “pode”, é por causa das cartas, que podem retirar da mina alguém cheio de gemas de alto valor com o uso da carta Isto não é meu, ou se recuperar de algumas “pescadas” ruins com a carta Dinamite, por exemplo).

(Uma das cartas de “defesa”)

As ações possíveis são poucas e deve-se pensar bem no que fazer, já que, por exemplo, minerar pode lhe render uma pepita de ouro, a peça mais valiosa, mas vai torná-lo um alvo dos outros mineiros gananciosos, que quase certamente tentarão roubá-la ou retirá-lo na mina após um “acidente”, se é que você me entende.

Sair da mina por primeiro pode não lhe render muito dinheiro, mas vale uma carta, o que pode permitir uma forte recuperação na rodada seguinte.

E assim em diante.

É, enfim, um jogo rápido, de fácil aprendizado e esteticamente agradável e atraente (a arte do sr. Bird – é um estúdio, não uma pessoa – é cartunesca e divertida).

COMPONENTES

O jogo vem com:
– 70 peças de resina em cores variadas (os minérios);
– 53 cartas de efeitos variados;
– peças de dinheiro, 1 saquinho onde vão os minérios e do qual estes são retirados;
– livreto de regras.

Pontos negativos:
A tampa do jogo e a caixa se assentam como irmãos siameses e é uma luta abri-la. O manual é em preto e branco, como se fosse uma fotocópia. Estes pontos referem-se à 1a edição do jogo.

Pontos positivos:
A qualidade geral dos componentes é boa, em particular das cartas e das peças de resina, que são duráveis e as cores se diferenciam bem.

*****

É isso!

Abs,

Anúncios
comentários
  1. Ricardo disse:

    Olá, tem este jogo também para a venda? Abs.

    Curtir

    • Putz, pior que não. Porém, há esperança, já que será lançado aqui o jogo QUARTZ, pela Funbox, que é uma reimplementação do Ouro de Tolo, com algumas “melhorias” (em aspas porque, até jogar, não garanto que sejam mesmo melhoras).

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s